O Agitador e a Corrente / Cena e Poema – Mumtazz e António Poppe

Mumtazz e António Poppe

Conheci Mumtazz com dezoito anos e eu com vinte. Ficámos amigos irmãos companheiros até à sua morte em 2019. Escrevemos juntos durante outros vinte anos e daqui nasceu O Agitador e a Corrente. Nasceu de uma conversa que tomava sempre a forma de poema. Existiam as cenas de composição e as notas sem texto manuscritas e re-escritas. Depois da morte de Mumtazz não parei de escrever este mesmo livro. Ela assim o queria.

O Agitador e a Corrente / Cena e Poema é um longo encontro conversado em poema, talvez mesmo uma cena teatral, onde ecoam vozes dos dias, das horas, o registo de palavras musicais, ritmos, apresentações, desenhos, composições. A primeira parte é uma encenação-advento para O Agitador e a Corrente que fecha o livro numa versão bilingue, em português e em inglês.

Agora, à memória de Mumtazz, publicamos em livro uma versão que nunca pára a revelação, re-escrita, dos manuscritos do encontro entre “dois irmãos siameses” como ela costumava dizer, sendo António o Agitador e Mumtazz a Corrente.

Em breve faremos uma leitura-lançamento ao vivo.

Para já, anunciamos a sua chegada.

(António Poppe)

 

Mumtazz (Lisboa, 1970-2019)

Viveu e trabalhou no Sul de Portugal Mumtazz utilizou o nome de Andrea Martha até 2008. Estudou na escola António Arroio e aí frequentou o atelier livre sob a orientação do professor Pedro Morais. Fez o curso avançado de Desenho no ARCO e, após este em 1995, o mestrado em Fine Arts na School of the Art Institute of Chicago, U.S.A., como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian. Em 2002 regressa a Lisboa onde viveu e trabalhou até 2010, ano em que se mudou para o campo no sul de Portugal. O seu trabalho engloba: Escultura; Desenho; Poesia; Design; Cerâmica; Fotografia; Gravura e agricultura. http://www.projectomap.com/artistas/mumtazz/


António Poppe (1968, Lisboa)

Artista visual, poeta, performer, vive e trabalha em Lisboa. Estudou no Ar.Co (Centro de Arte e Comunicação Visual), no Royal College of Arts em Londres e na School of the Art Institute of Chicago como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento onde realizou um Mestrado em Arte Performativa e Cinema. Tem trabalho híbrido de poesia artes visuais e performance, editado pela Assírio & Alvim (“Torre de Juan Abad”, 2001), Documenta (“Livro da Luz”, 2012) e Douda Correria (“medicin.” em 2015 e “come coral” em 2017). Já atuou e/ou expôs em espaços como o Museu de Serralves, Galeria ZDB, Galeria 111, Culturgest, Fundação Carmona e Costa, entre outros. Em 2015 participou em “Oracular Spectacular – Desenho e Animismo”, no Centro de Artes José de Guimarães (CIAJG); em 2017 expôs “Watercourse” na Galeria 111, com Joana Fervença, e participou em “Encontros para Além da História”, sob o tema “As Magias” (CIAJG). No ano seguinte colaborou com Mumtazz na 6ª edição dos “Encontros para Além da História”, desta feita sob o tema “O Nascimento da Arte” (d’après Georges Bataille), também no CIAJG; colaborou com “musa paradisiaca” em “Collaboration”, curadoria de Filipa Oliveira no Quetzal Art Centre em Jachthuis Schijf, Holanda; e desenvolveu uma residência artística e seminário na Porta 33, na ilha da Madeira, enquadrado no ciclo “Mais importante do que desenhar é afiar o lápis”, com curadoria de Nuno Faria. Em 2019, realiza uma exposição individual na galeria ZDB em Lisboa, com a curadoria de Natxo Tcheca.
Tagged with:
 
Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.