FULGORIZAÇÕES – ESPAÇO EDÉNICO, REALIDADE E FANTÁSTICO NA OBRA DE MARIA GABRIELA LLANSOL

João Maria Mendes






1ª Edição , Julho de 2019
168 Páginas
PVP - 10,60€

Comprar







João Maria Mendes

De que me ocupo neste escrito? Num primeiro momento revisito a genealogia da Obra da autora e descrevo-a como sensacionista/intuicionista, sempre confrontada com a memória e a cultura acumuladas na «Casa da Sabedoria». Num segundo momento recordo o que a levou a afastar-se da narratividade dependente da verosimilhança e a adoptar uma textualidade transgressiva, vinda da teoria do texto barthesiana. Este momento inclui uma proposta de revisão do diferendo entre narratividade e textualidade à luz da coalescência das três ordens de realidade tal como descritas por Paul Watzlawick, e do seu rebatimento na criação literária. Um terceiro momento é uma reflexão sobre algumas ideias-fortes do glossário llansoliano, entre elas a de espaço edénico, talvez a sua mais desafiante proposta, cuja definição se articula com as de cena fulgor, eterno retorno do mútuo, figura, linhagem. A este respeito direi depois que a obra da autora se desenvolve paredes-meias com um evangelho pós-testamentário, uma escritura imanentista e agnóstica, suscitadora de uma Vita Nuova. Num quarto momento defendo que a obra llansoliana explora quatro registos de fantástico e herda de um maravilhoso verdadeiro neo-renascentista que são, nela, idiossincráticos geradores de texto. Finalmente, num quinto momento, aproximo a composição oficinal dos seus textos e o trabalho do sonho tal como Freud os descreveu em A Interpretação dos Sonhos, de 1900. No fim acrescentei ao texto dois excursus que o complementam. Se me perguntassem de que se ocupa este escrito, diria que são estes os núcleos que fundamentalmente o estruturam. Mas bem sei que qualquer leitura pode descentrar/recentrar um escrito, em função do(s) interesse(s) de cada leitor.

Peço desculpa por aqui tratar a Maria Gabriela Llansol e o Augusto Maria da Conceição Joaquim por Gabi e Augusto, como sempre os tratei. Poderia adoptar um tratamento mais distanciado – por vezes eles próprios, por conveniência de autora e comentador, o fizeram um com o outro. Mas isso apenas mascararia a proximidade que me liga a eles, que já cá não estão, sem benefício para ninguém. Tratá-los como sempre os tratei distancia esta digressão do protocolo académico e oferece-lhe um tom mais pessoal. Ela vai, por isso, quase despojada de notas de rodapé e sem aparelho crítico; até a sua bibliografia final é apenas uma sumária sinalização. Agora longe de jornais e de ensino, lido, noutra duração do tempo, com dívidas antigas, e uma delas é para com eles, que conheci em Campo de Ourique em 1964, depois em Lovaina de 1969 a 1975 e mais tarde em Sintra, na era do regresso dos «estrangeirados» ou «afrancesados» que fomos ao país de origem.

 
Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.