Nasci em Rio Maior no ano da graça de 1974. Resido em Caldas da Rainha desde 2000, depois de 8 anos a viver em Lisboa. Sou licenciado em Filosofia. Fui professor e formador durante dez anos, exercendo actualmente a profissão de caixeiro de primeira categoria. Publiquei os seguintes livros:

2000: “Entre o dia e a noite há sempre um sol que se põe” (Edição do autor);
2003: “Antologia do Esquecimento” (Edição do autor);
2006: “Estórias Domésticas & Outros Problemas” (Ovni);
2007: “O Meu Cinzeiro Azul” (Canto Escuro);
2010: “Estranhas Criaturas” (Deriva);
2011: “A Dança das Feridas” (Edição do autor);
2012: “Rogil” (Volta d’Mar);
2013: “Suicidas” (Deriva);
2014: “Estação 2012” (Mariposa Azual);
2014: “Call Center” (Companhia das Ilhas).

Em Fevereiro de 2009, a Câmara Municipal de Rio Maior publicou-me “Uma Aldeia Que Não Existe” (ensaio para uma palestra integrada nas comemorações do nascimento do poeta Ruy Belo). No mesmo ano, fui convidado a apresentar os autores portugueses incluídos na antologia “De La Saudade a la Magua – Antología de relatos luso-canaria” (Ediciones de Baile del Sol). Participei em várias antologias com poemas e contos, tendo também prefaciado a “Primeira Antologia de Micro-Ficção Portuguesa” (Exodus, 2008), reeditada em Marrocos no ano de 2010, e “Os Dias do Amor – Um poema para cada dia do ano” (Ministério dos Livros, 2009). Da colaboração dispersa por diversas revistas, destaco “Poema Poema – Antología de la Poesía Portuguesa Actual” (2006), vários números da saudosa revista “Big Ode”, o n.º 29 de “Baluerna – Cuadernos del Viajero” (2008) e algumas versões do poeta chileno Nicanor Parra no n.º 12 de “Di Versos – Poesia e Tradução” (2008). Escrevi esta breve nota biobibliográfica na primeira pessoa porque não gosto de falar de mim na terceira pessoa do singular. Gosto de tocar guitarra com os Ventilan.

Set your Twitter account name in your settings to use the TwitterBar Section.